O nó na garganta e o perfume das rosas

04-02-2022

Já sentiste um nó na garganta? O teu corpo responde ao apelo da alma activando um sistema muscular que aperta, segura, impede, sustém, retém o movimento, congela ... e o tempo para num retrato da memória além da tua própria idade. 

O tempo é ali retido, naquele instante em que a tua existência foi negada e rejeitada, por este, por aquele...por quem? Por tantos e por ninguém no final de contas. No final o que resta és Tu e nada mais, estás só. A garganta grava-te esse instante e dá-te a sentir o que muitos outros antes de ti sentiram. Ali, naquele instante, a tua voz é a voz daqueles que te antecederam ... e que ficaram sem voz. 

O movimento muscular da garganta é o movimento da memória. Para que sintas um trauma, a tua voz sofre um aperto, fruto de uma dor imersa no coração ... um coração entrançado nos caules sem fim de uma trepadeira que conta a história dos teus anciãos ... A Grande Mãe diz-te: ali naquele nó, na voz que desaparece, na rouquidão, na respiração alterada, estão as sensações de tantas outras mulheres e homens que ficaram sem voz, pois não tiveram a oportunidade de serem quem são de verdade, tiveram que trabalhar matéria sofrida, calejar os dedos e apagar o brilho dos olhos, tiveram que carregar fardos e fardos num esforço tremendo, tiveram que se sujeitar a dores terríveis no corpo e na alma, sem conseguirem ao longo do tempo mudar o que o destino lhes traçava, foram escravos e partiram desta vida sentindo-se escravos. 

A vida é dura, é curta, a vida tolhe os sentidos, a vida é amargura. Quantas mães e quantos pais não disseram esta frase a vida inteira? Já as ouviste? E quantas mães e quantos pais não foram humilhados, tremendamente humilhados da forma mais cruel para serem os símbolos de uma memória insultuosa - não és digna, não és digno, não tens valor algum ... não pertences aqui e a tua presença é um insulto! 

És herdeira, és herdeiro de quantas frases? O que guarda o teu corpo na memória, que segredos guarda? Sabes?

A tua voz sabe. 

A tua garganta mostra-te a tua herança, e ao mostrá-la mostra-te também o perfume das rosas, porque a voz mostra! A Terra mostra a Voz, a Voz mostra a Terra, a Terra mostra o Coração, o Coração mostra a Terra! Espelhos infindáveis até ao infinito ... E de onde vieste? 

Como resposta à lâmina afiada das palavras cruéis, o espírito oferece o mais doce aroma da Mãe, aquela que sabe quem Tu És! A Grande Mãe, a Terra, vive no teu Corpo, e desperta na tua alma sempre que sentes um nó na garganta. 

Entende, diz-te Ela ... não és Tu, nem ninguém ... somos Todos e não é Ninguém. No final existe apenas a solidão ... e Tu e Eu e Nós ... e o perfume das Rosas - o grande e imenso Amor da Grande Mãe - A Mãe Força! 

Isto querem todas as mães, avós, bisavós e trisavós do mundo, todas e todos sem excepção sussurram: canta-me, dizem elas e eles além de todas as idades. Canta a minha dor, canta a minha força, canta o meu sofrimento, canta a minha eternidade, essa que está aí contigo, no teu rosto e na tua voz!

A tua voz sabe de quem tu és filha e de quem tu és filho. A tua voz tem o poder de aceder ao que vive retido nas tuas células para o despertar e envolver em perfume das rosas. 

Que saibas que em nenhum momento da tua vida estiveste só. Há uma voz que te acompanha, porque aqui, tu és humana, tu és humano, mas para além do teu corpo, há também Maria multiplicada vezes mil. Há o Mistério que se manifesta em cada instante que choras. As tuas lágrimas são o caminho de retorno a Casa. São o teu imenso Poder, a tua grande Força, as lágrimas são a Voz da memória que clama a Casa, sua por direito, porque sim, Tu Pertences! O Mistério é a Chave da Tua Casa, essa que desata o nó e abre a porta do Jardim de Rosas onde mora a Tua eterna Bondade, a tua eterna Liberdade!